Tecnosinos

Menu

Tecnosinos participa da Web Summit 2018 em Lisboa

23/11/2018

Considerado o maior evento de tecnologia, empreendedorismo e inovação da Europa, o Web Summit reuniu 70.000 participantes, incluindo 16 empresas gaúchas e representantes da Unisinos, Feevale e Seprorgs.

 

Reconhecida pela Forbes como a melhor conferência internacional tecnológica da Europa, o Web Summit que teve origem em Dublin, e passou a acontecer anualmente na capital portuguesa, reúne as figuras importantes da indústria de tecnologia para discutir seu futuro. Pelo terceiro ano consecutivo, o projeto de internacionalização desenvolvido pelo Sebrae-RS, em parceria com o Centro Internacional de Negócios (CIN) da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), levou uma comitiva gaúcha composta por 16 empresas, sendo seis a mais do que no ano anterior.

Para Luisa Simon, responsável pelo relacionamento interno e externo das startups da UNITEC e representante do Tecnosinos no Web Summit, a visita superou todas as expectativas. “Aconteceram painéis em 20 palcos, divididos em quatro pavilhões, além do Centre Stage. Nesta atmosfera de troca de conhecimento, acontece muita conexão e aprendizado. Além disso, cerca de 3 mil startups expuseram seus projetos e produtos, então a quantidade de informações que circulava durante os quatro dias de evento era intensa”, enfatiza. “Não obstante a programação da conferência, tivemos reuniões com representantes de incubadoras e aceleradoras de Portugal, da Espanha e do Catar. No último dia da missão, realizamos visitas à Farfetch, à aceleradora Beta-i e à incubadora Startup Lisboa, todas foram muito produtivas", conclui.

Dentre as discussões do Web Summit, destaque para o painel do britânico Tim Berners-Lee, inventor da web, ao lado de Jacquelline Fuller, presidente da Google.org, sobre como corrigir o curso nocivo da internet. O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, encerrou a edição de 2018 do evento pontuando a importância da inclusão digital alinhada com os desafios globais. “É preciso usar a revolução digital como meio de criar um mundo melhor”, conclui o chefe de estado, reforçando a responsabilidade da indústria tecnológica.